clarice·lispector

descubrimientos

crónicas inéditas

 

 

 

Traducción y prólogo de Claudia Solans

2ª edición en Argentina: noviembre de 2010

2ª edición en España: noviembre de 2010

Los textos pertenecen a la obra original: A descoberta do mundo

Adriana Hidalgo editora S.A., 2010,

Buenos Aires

 

 

 

não entender

 

Não entendo. Isso é tão vasto que ultrapassa qualquer entender.

Entender é sempre limitado. Mas não entender pode não ter fronteiras.

Sinto que sou muito mais completa quando não entendo.

Não entender, do modo como falo, é um dom. Não entender, mas não

como um simples de espírito. O bom é ser inteligente e não entender.

É uma bênção estranha, como ter loucura sem ser doida. É um desinteresse

manso, é uma doçura de burrice. Só que de vez em quando vem a

inquietação: quero entender um pouco.

Não demais: mas pelo menos entender que não entendo.

 

no entender       

 

No entiendo. Esto es tan vasto que supera cualquier entender.

Entender es siempre limitado. Pero no entender puede no tener fronteras.

Siento que soy mucho más completa cuando no entiendo. No entender, del

modo en que lo digo, es un don. No entender, pero no como un simple de

espíritu. Lo bueno es ser inteligente y no entender. Es una bendición

extraña, como tener locura sin ser demente. Es un manso desinterés, es

una dulzura de estupidez. Sólo que de vez en cuando viene la inquietud:

quiero entender un poco. No demasiado: pero por lo menos entender que

no entiendo.

 

 

 

clarice_lispector3

 

 

 

 

 

 

Deja un comentario