semiología

 

 

Digo: el amor. Hay palabras que parecen sólidas,

al contrario de otras que se deshacen en los dedos.

Soledad. O también: miedo. Las palabras, podemos

escogerlas, meterlas dentro del poema como

si fuese una caja. Mas no esconderlas. Ellas

quedan en el aire, invisibles, como si no precisaran

de los sonidos con que las decimos.

Ahora, el efecto de las palabras. Su rotación

en la cabeza, y por las arterias, hasta el centro:

el corazón. Mas no hablo de sinónimos; finalmente,

hay palabras que esconden lo contrario de lo que

quieren decir, y solo las conoce quien ama, si

no lo llevó la vida por caminos confusos.

Te amo. También podía decir: la soledad

con que te amo, o el miedo de amarte. A partir

de una palabra todo se puede hacer, en una página,

cuando lo que ahí está es un poema. No obstante,

esas palabras me conducen a ti, esto es,

te hacen vivir dentro de ellas. Por eso

todo se confunde: el amor, la soledad, el miedo,

y hasta la vida, que también es una palabra.

 

 

 

semiologia

 

Digo: o amor. Há palavras que parecem sólidas,

ao contrario de outras que se desfazem nos dedos.

Solidão. Ou ainda: medo. As palavras, podemos

escolhê-las, metê-las dentro do poema como

se fosse uma caixa. Mas não escondê-las. Elas

ficam no ar, invisíveis, como se não precisassem

dos sons com que as dizemos.

Agora, o efeito das palabras. A sua rotação

na cabeça, e pelas artérias, até ao centro:

o coração. Outra palabra com que se diz: o

amor. Mas não falo de sinónimos; de resto,

há palavras que escondem o contrario do que

querem dizer, e só as conece quem ama, se

a vida não o levou por caminos confusos.

Amo-te. Também podía dizer: a solidão

com que te amo, ou o medo de te amar. A partir

de uma palavra tudo se pode fazer, numa página,

quando o que aí está é um poema. No entanto,

essas palavras conduzem-me a ti, isto é,

fazem-te viver por dentro delas. É por isso

que tudo se confunde: o amor, a solidão, o medo,

e até a vida, que também é uma palavra.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

NUNO JÚDICE

traducidos por José Luis Puerto 

 

|• O Movimento do Mundo, 1996

|• El movimiento del mundo, 1996